O Trabalho Voluntário

Uma pesquisa realizada pelo Programa Interdisciplinar de Empatia e Altruísmo da Universidade de Michigan (EUA) apontou que as pessoas que realizam trabalhos voluntários podem aumentar a expectativa de vida em cerca de quatro anos em relação àqueles que não praticam o voluntariado. Mas a regra não é valida para todos os voluntários – somente para aqueles que adotam a atividade com a intenção de fazer o bem ao próximo, e não a si mesmo.

De acordo com o estudo, publicado no periódico da American Psychological Association no início de setembro, aqueles que decidem aderir ao voluntariado por razões consideradas “egoístas” pelos pesquisadores, como melhorar o currículo ou desenvolver uma nova habilidade, tinham uma expectativa de vida semelhante à daqueles que não faziam nenhuma atividade voluntária.

Para chegar à conclusão, as pesquisadoras Sara Konrath e Andrea Fuhrel-Forbis. responsáveis pelo estudo, examinaram dados do Wisconsin Longitudinal Study, que conta com amostragem de mais de 10 mil estudantes desde a sua formação no ensino médio, em 1957, até o presente. Em 2008, quando a análise foi feita, 51,6% da amostragem era composto por mulheres com idade média de 69 anos.

“Em nossa análise, controlamos estatisticamente todos os tipos de variáveis que podem influenciar a longevidade, como idade, gênero, estado civil, saúde mental e física etc”, contaram em entrevista ao Portal do Voluntário. “Descobrimos que a motivação para o voluntariado importa mesmo quando todos esses fatores são considerados. Em outras palavras, não basta dizer que esses voluntários são mais saudáveis ou conectados à sociedade – eles simplesmente têm razões voltadas para os outros na hora de decidir ajudar terceiros”, disseram.

Pesquisa

Os entrevistados responderam a 10 questões que abordavam os motivos para terem aderido ao voluntariado ou as razões que os levariam a ser voluntários, caso não fossem. Algumas das motivações eram voltadas para os outros, como “acho importante ajudar o próximo”, ou “o voluntariado é uma atividade importante para as pessoas que conheço bem”, e outras eram mais voltadas a si, como “voluntariar é uma boa forma de escapar de meus próprios problemas”, ou “o voluntariado me faz sentir melhor sobre mim mesmo”.

Os pesquisadores também consideraram saúde física, condição socioeconômica, estado civil e fatores de risco para a saúde (fumo, índice de massa corpórea e uso de álcool) dos participantes, assim como saúde mental e apoio social. Muitas dessas informações foram colhidas em 1992, 12 anos antes de os participantes serem questionados sobre as suas experiências no voluntariado. Assim, os pesquisadores puderam determinar quantos participantes continuavam vivos em 2008.

No geral, 4,3% dos 2.384 não voluntários morreram quatro anos depois da análise, ou seja, em 2011 – resultados proporcionalmente similares àqueles que declararam ser voluntários por motivos pessoais (4%). No entanto, apenas 1,6% daqueles que eram voluntários por razões focadas no próximo morreram no dado período.

Causas

De acordo com as pesquisadoras, as pessoas que ajudam outras por motivos verdadeiramente altruístas diminuem a reação cardiovascular e aumentam a produção de hormônios protetores como a oxitocina.

“Chamamos este conjunto de reações fisiológicas de ‘sistema de acolhimento’, pois é similar ao do cuidado da mãe com crianças. A ativação constante desse sistema provavelmente enfraquece os efeitos negativos de longo prazo do estresse, que são ligados a todo tipo de doença grave, como males cardiovasculares e câncer”, contam.

 

http://www.ecodesenvolvimento.org/posts/2011/outubro/voluntarios-que-se-dedicam-pelo-proximo-podem

Anúncios